HOME
BLOG
CULINÁRIA
NOTÍCIAS
SHOP
VÍDEOS
NOTÍCIAS: / Brasil / Celebridades / Economia / Esporte / Mundo / Política / Tecnologia

Reforma trabalhista permite demissão em massa de 150 professores



Para especialistas, a decisão do presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro Ives Gandra da Silva, que ratificou a demissão em massa de 150 professores da universidade UniRitter sem a necessidade de intermediação com o sindicato da categoria, com base na reforma trabalhista aprovada pelo governo Michel Temer, dá segurança jurídica para que as empresas passem a adotar este tipo de prática no Brasil.



Até então, as demissões em massa só poderiam ocorrer se fossem negociadas previamente e avalizadas pelos sindicatos de trabalhadores.

Com a reforma trabalhista, - A, as dispensas coletivas não dependem mais de prévia autorização das entidades sindicais para ocorrerem, ressaltou o advogado especializado e sócio do Leite, Tosto e Barros Advogados Luiz Fernando Riskalla ao jornal O Estado de São Paulo. Segundo ele, a decisão do ministro Gandra resulta em uma maior segurança jurídica aos jurisdicionados, principalmente aos empregadores, que podem usar as novas regras.

O advogado trabalhista Alberto de Carvalho, do Fragata e Antunes Advogados, observou, porém, que o assunto ainda não está pacificado.

Veja Também
Reforma trabalhista brasileira desanima investidores nos EUA
Centrais sindicais já usam assembleia para cobrar novo imposto dos trabalhadores
Congresso da Argentina aprova polêmica reforma da Previdência
Centrais sindicais já usam assembleia para cobrar novo imposto dos trabalhadores


É preciso aguardar a posição do TST em sua composição colegiada quanto à superação da posição consolidada anteriormente sobre a necessidade da participação de sindicato em casos deste tipo. É necessário, ainda, esperar a decisão (e a modulação dos seus efeitos) do Supremo Tribunal Federal sobre a ADI 1625 — que está há muitos anos pendente de julgamento sobre a ratificação e denúncia, pelo Brasil, da Convenção 158 da OIT (Organização Internacional do Trabalho). Só então se poderá falar numa possível pacificação da matéria, disse Carvalho ao Estadão.


Super Oferta

HashFlare